Laços de Sangue - Richelle Mead

0
COM
Título: Laços de Sangue
Autora: Richelle Mead
Editora: Seguinte
Número de páginas: 432
Avaliação: 5/5
Sinopse: Sydney estava encrencada. Em sua última missão, ela tinha ajudado a dampira Rose Hathaway a escapar da prisão, e essa aliança foi considerada uma traição grave, já que vampiros e dampiros são criaturas terríveis e antinaturais, ameaças àqueles que os alquimistas devem proteger - os humanos. Com sua lealdade colocada em questão, Sydney se sente obrigada a voluntariar-se para uma tarefa nada agradável - ajudar a esconder Jill Dragomir, uma princesa vampira que está sendo perseguida por rebeldes que querem o poder. Caso ela seja capturada e assassinada, a rainha Lissa ficará sem nenhum parente vivo e, como manda a lei, terá de abdicar do trono - o que culminará numa guerra civil tão sangrenta no mundo dos vampiros que certamente afetará a humanidade.
Assim, pelo bem dos humanos, Sydney aceita se disfarçar de estudante e passa a conviver diariamente com Jill e seu guardião Eddie, quando os três são matriculados como irmãos no último lugar em que qualquer um procuraria a realeza dos vampiros - a Escola Preparatória Amberwood, em Palm Springs, na Califórnia. Mas entre uma pizza e outra, entre um jogo de minigolfe e uma conversa sobre garotos, ela começa a ter a sensação de que talvez esses seres estranhos não sejam tão maus assim, principalmente Adrian, um vampiro muito próximo de Jill que desperta os sentimentos mais contraditórios - e proibidos - em Sydney...
O problema é que além de refletir sobre suas convicções e se preocupar com o seu coração, que anda acelerando mais do que deveria, a garota terá de encarar outros inconvenientes um pouco mais graves, como as tatuagens que viraram febre entre os alunos da escola e que parecem conferir poderes sobrenaturais a quem as usa. De que ingredientes elas eram feitas? Quem estaria por trás disso? Será que havia algum alquimista traidor entre eles? Caberá a Sidney resolver todos esses mistérios e garantir a paz entre os humanos antes que seja tarde demais.

Resenha: Bem, sei que faz muito tempo que não escrevo ou dou a devida atenção ao blog, mas é o principal motivo é que realmente não estou tendo muito tempo para me dedicar inteiramente à essas atividades, mas desta vez vim aqui com o intuito de divulgar uma resenha para uma "promoção" que a Editora Seguinte liberou. Tive a honra de participar desse concurso que possui como objetivo homenagear a autora Richelle Mead, e por isso recebi o livro Laços de Sangue da editora no mês passado para que fosse resenhado. Então, mãos à obra!
Laços de Sangue conta a história de Sydney Sage que acaba de ser acusada de traição por ter ajudado uma dampira (isso mesmo que você leu, dampira) e com isso acaba sendo prejudicada pessoalmente. No livro, os alquimistas são pessoas que defendem e protegem os seres humanos das ameaças de vampiros, e assim, Sydney coloca a sua vida em risco para lidar com vampiros e dampiros, que representam um grande perigo para a sociedade, mas parece que nem todos estão acreditando na real capacidade de Sydney.
Mesmo estando afastada de seu "cargo", Sage tem que tomar uma importante decisão em sua vida, porque precisa proteger a princesa Jill Dragomir, tudo isso para impedir que uma guerra pelo poder entre os vampiros se inicie. E em como todo livro, guerra é um acontecimento marcante em cada enredo, nesse caso deixaria muitos rastros de destruição pelo mundo afora. Sydney então vai para um orfanato bem suspeito, se passando por uma irmã de vampiros, mas mesmo com todo esse disfarce, Sage estará exposta a muitos desafios.
Faz muito tempo que não leio um livro com vampiros, porque realmente eu nunca fui fã deste tipo de personagens, mas confesso que Laços de Sangue me impressionou, simplesmente pelo fato de que gostei bastante das cenas de ação e dos protagonistas. Acho que está vindo outra série para a minha lista de favoritos. Nunca pensei que iria agradar de um livro de vampiros, ainda mais que tenho uma séria antipatia pela saga Crepúsculo, e o único livro com o mesmo tema que li este ano foi O Legado da Caça-Vampiro, e não me apeguei muito à história. Estou muito ansioso para ler a continuação da série Bloodlines, disso não tenho dúvida.

Desafio de Leitura 2013 - Simplesmente Ana

0
COM
Oi pessoal!
Como vocês sabem, estou meio desapegado ao blog por motivos escolares, por isso não consegui me dedicar inteiramente às postagens, mas hoje vim aqui mostrar um pouco sobre o meu Desafio de Leitura que ocorre todo o trimestre em minha escola. Para aqueles que não sabem, Desafio de Leitura é um projeto desenvolvido para que os alunos apresentem os livros que leram durante certo período e assim, aquele que tiver a melhor apresentação ganhe como prêmio um livro de presente.
Desta vez preparei uma coisinha especial para a este desafio e resolvi fazer um vídeo para o livro Simplesmente Ana. Mesmo sendo um vídeo que foi difícil para ser produzido, estou feliz, porque ele garantiu a minha quinta vitória! Fiquem agora com um pedaço do meu Desafio de Leitura 2013.

Backstage #2 - E.T.: O Extraterrestre - Steven Spielberg

0
COM
Backstage está de volta! Depois da ótima repercussão da primeira edição da coluna, que trouxe como atração a 'trilogia' Jurassic Park, resolvi trazer mais um sucesso de um dos diretores mais consagrados de todos os tempos, Steven Spielberg. E.T. - O Extraterrestre conta a história de um marciano que se perde no planeta Terra e acaba fazendo amizade com um garoto chamado Elliot, (personagem interpretado por Henry Thomas). O jovem de apenas dez anos de idade esconde o alienígena em sua própria casa, e, contando com a ajuda de seus irmãos, eles vivenciam experiências inéditas ao lado de E.T., impedindo que esse seu mais novo amigo seja capturado pelas autoridades americanas e fazem o possível para que E.T. volte ao seu planeta de origem.


Lançado em 1982, E.T. transformou-se em um estrondoso sucesso, sendo o primeiro filme a apresentar um faturamento acima de 700 milhões de dólares, recebendo várias críticas positivas e indicações a inúmeras premiações como Oscar, onde foi indicado a nove categorias e ganhou quatro delas, como: Melhor Trilha Sonora, Melhores Efeitos Especiais, Melhores Efeitos Sonoros e Melhor Som. No Globo de Ouro, o filme teve presença marcada e levou consigo o prêmio de Melhor Filme - Drama e Melhor Trilha Sonora. Pensam que parou por aí? Além de todos esses prêmios, ainda recebeu um Grammy. Isso mesmo, na categoria Melhor Trilha Sonora Composta para um Filme. Como todos já sabem, este é um dos melhores filmes já produzido tanto para o mundo do cinema quanto para a carreira de Steven Spielberg. No ano passado foi comemorado o aniversário de 30 anos do lançamento de E.T., e para festejar esta data tão significativa, o filme ganhou uma versão em Blu-Ray.
E.T.

O mais curioso da produção do filme foi a montagem do misterioso extraterrestre. O seu rosto foi modelado com base nas faces do poeta Carl Sandburg, do cientista Albert Einstein e de um cachorro pug. Ainda estou tentando enxergar esta semelhança. 

Elliot (esquerda), Gertie (centro) e Michael (direita)
Vocês já devem ter percebido que Spielberg é um dos meus diretores favoritos. Não me canso de ver os filmes que são de sua autoria. A cada ano que passa ele vem nos impressionando com suas ideias mirabolantes e originais. E.T. - O Extraterrestre é realmente uma obra prima. Sempre que penso neste filme lembro da cena das quando as bicicletas sobrevoam os céus da cidade em contraste com a Lua. O longa se transformou em um clássico do cinema e revelou grandes atores e atrizes que fazem parte do cenário atual, como Drew Barrymore, que interpretou Gertie, a irmã mais nova de Elliot. Posso dizer que todos os atores, principalmente as crianças, se entregaram ao personagens, criando situações engraçadas e até mesmo dramáticas que chegam a 'arrancar' lágrimas. Sério, quase chorei. 
Steven Spielberg criou uma ficção que conquistou fãs das mais diversas idades, principalmente por apresentar um personagem que além de ser um alienígena, tem uma personalidade totalmente diferente da que fora criada pelo homem com o passar dos anos, caracterizando o extraterrestre como um ser altamente perigoso. E.T., pelo contrário, é carinhoso, divertido e possui uma forte conexão com Elliot, o que proporcionou cenas que marcaram o filme. Um filme que até hoje atravessa gerações.

Reveja o trailer do filme


A Elite - Kiera Cass

0
COM
Título: A Elite
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Número de páginas: 360
Avaliação:  ♥♥♥♥
Sinopse: A Seleção começou com 35 garotas. Agora restam apenas seis, e a competição para ganhar o coração do príncipe Maxon está acirrada como nunca. Só uma se casará com o príncipe Maxon e será coroada princesa de Illéa. Quanto mais America se aproxima da coroa, mais se sente confusa. Os momentos que passa com Maxon parecem um conto de fadas. Quando ela está com Maxon, é arrebatada por esse novo romance de tirar o fôlego, e não consegue se imaginar com mais ninguém. Mas sempre que vê seu ex-namorado Aspen no palácio, trabalhando como guarda e se esforçando para protegê-la, ela sente que é nele que está o seu conforto, dominada pelas memórias da vida que eles planejavam ter juntos.
America precisa de mais tempo. Mas, enquanto ela está às voltas com o seu futuro, perdida em sua indecisão, o resto da Elite sabe exatamente o que quer — e ela está prestes a perder sua chance de escolher. E justo quando America tem certeza de que fez sua escolha, uma perda devastadora faz com que suas dúvidas retornem. E enquanto ela está se esforçando para decidir seu futuro, rebeldes violentos, determinados a derrubar a monarquia, estão se fortalecendo — e seus planos podem destruir as chances de qualquer final feliz.

Resenha: Bem, continuamos com as resenhas literárias. Durante este período de férias estive conhecendo diversos livros dos mais diferentes gêneros. O romance, apesar de não ser o meu favorito, está presente nesta lista, desta vez com o livro A Elite da trilogia Seleção da autora americana Kiera Cass.
Depois da realização da Seleção que reuniria 35 garotas do país de Illéa para competirem entre si e decidir quem se casaria com o aclamado príncipe Maxon e assim tomar posse da coroa, ocorreu a eliminação de diversas concorrentes, restando somente seis garotas que agora fariam de tudo para não perder esta incrível chance. America, a jovem garota de 17 anos que vira da casta 5 e de uma família simples e trabalhadora, ainda estava na disputa mais disposta do que nunca.
Seis garotas e uma coroa. Cada dia no castelo era um teste para as concorrentes que apesar das mais persistentes intrigas ocorridas durante o torneio, tinham em mente como principal objetivo, conquistar o príncipe Maxon através das suas personalidades. America está preocupada e não consegue controlar os seus sentimentos. Aspen, o amor de sua vida do lado de fora da competição, estava trabalhando dentro do castelo, e a sua paixão repentina por Maxon não tem limites. Como ela irá decifrar este enigma amoroso?
Me decepcionei um pouco com este livro, pois além de continuar o mesmo drama do triângulo amoroso a história não evoluiu da maneira que eu esperava. As cenas não foram muito bem estruturadas e algumas repetitivas, fazendo da leitura um pouco monótona. Sinceramente, estou pegando antipatia da America, pois em A Seleção tudo era novo e fantástico, e a protagonista era a minha favorita, mas em A Elite tudo mudou. America ficou chata e suas atitudes faziam com que eu me desapegasse dela, e a partir daí a minha personagem favorita mudou completamente.
Consegui ler A Elite em um dia, porque a leitura não é demorada apesar do livro ter mais de trezentas páginas. Espero que Kiera me surpreenda com o último livro da trilogia. Acredito que a decisão para todos esse enredo criado vai ser espetacular. Ainda estou ansioso por The One. A Elite é um livro que todos os fãs do gênero romance romântico irão agradar.

Aniversário de 1 ano do blog Recapitulando

0
COM
Um ano! Nossa, o tempo passou muito rápido. Mas lembro direitinho do meu primeiro post. Uma foto do álbum da Taylor Swift. Foi um teste, tudo bem, mas está valendo. Para não soar muito clichê como em todas essas comemorações, quero falar mais sobre o que mudou de uns tempos para cá e explicar o real objetivo do blog. 
Primeiramente, quero agradecer a todos que me apoiaram nessa minha nova "carreira" que adotei. Foi muito difícil estar aqui depois de todo esse tempo, pois administrar um blog não é nada fácil, ainda mais quando você é vítima de plágios constantes. Isso mesmo! Plágio! Ainda não sei o motivo, mas o que me enfureceu foi o fato de que o plagiador era sempre o mesmo, e isso fez que eu entrasse em colapso e grandes discussões com esse certo indivíduo nas redes sociais e até aqui mesmo no blog. Foi realmente um horror. O importante é que justiça foi feita, e o plagiador, que só de pensar no nome já fico furioso, sumiu.
No início eu era mesmo um inexperiente, como qualquer um. Comecei com postagens pequenas e simples até chegar nas mais extensas e sofisticadas. O blog foi o que mais me aproximou da leitura, porque antes eu lia por obrigação, agora é por prazer. A partir deste hábito, aprimorei mais a minha escrita e ampliei o meu vocabulário. É  incrível quando você olha para trás e percebe o quanto evoluiu. 
E como falar do blog sem mencionar as pessoas que me ajudaram a dar vida a ele? Vinícius Dias Costa do blog Livros & Rabiscos, meu amigo, colega de sala e minha maior influência na hora de comprar um livro ou ouvir uma música, realmente não dá pra esquecer de você! E claro, Og Martins, um amigo e companheiro, autor deste belo layout e a pessoa que nomeou o blog "Recapitulando". Obrigado por todo o trabalho e dedicação que tiveram. Tudo isso foi incrível! 
O que antes era Play Music, Livros, Música e Filmes, Palavras ao Vento, Tales of Leo, passa a ser agora Recapitulando. Foram diferentes fases do blog, mas que não irão ser perder na memória. Cada minuto, cada segundo gasto aqui valeu a pena, e espero continuar por um longo tempo...

Para comemorar este aniversário, lanço a minha primeira promoção, sorteando o livro "A Maldição do Tigre", que já foi até resenhado para o blog. Boa sorte!

a Rafflecopter giveaway



Através do Universo - Beth Revis

0
COM
Título: Através do Universo
Autora: Beth Revis
Editora: Nove Século
Número de páginas: 405
Avaliação: ♥♥♥♥
Sinopse: Amy deixou para trás seus amigos, seu namorado, seu mundo inteiro para se juntar aos pais a bordo da nave espacial Godspeed. Para a longa viagem, ela e seus pais foram criogenicamente congelados, esperando enfim acordarem em um novo planeta: Terra-Centauri. Porém, cinquenta anos antes do previsto, a câmara criogênica de número 42 é misteriosamente desligada, e Amy se vê forçada a sair de seu profundo sono de gelo. Alguém havia tentado matá-la. Agora, Amy está presa em um novo – e pequeno – mundo, onde nada parece fazer sentido. Os 2312 passageiros a bordo de Godspeed são liderados pelo tirânico e assustador Eldest. Elder, seu rebelde sucessor, parece ao mesmo tempo fascinado por Amy e ansioso por descobrir nele mesmo tudo o que se espera de um líder. Amy quer desesperadamente confiar em Elder, mas será que ela deve colocar seu destino nas mãos de um garoto que jamais conhecera a vida fora daquelas frias paredes de metal? Tudo o que Amy sabe é que ela e Elder devem correr para desvendar os segredos mais ocultos de Godspeed, antes que o assassino tente matá-la novamente.

Resenha: Como vocês puderam perceber, passei um tempinho meio desatualizado no blog. Resolvi dar um tempo para os estudos, que é o meu principal objetivo no momento, e por isso não tive muito tempo para leitura, mas agora estou de volta com uma porção de resenhas e dicas de livros. Espero que me entendam, rsrs. Então vamos a nossa próxima aventura, Através do Universo, o primeiro livro da trilogia distópica criada por Beth Revis.
Amy, uma jovem garota americana é submetida a um congelamento, do qual ela iria ficar em um compartimento de metal e somente acordaria daqui há 300 anos quando já estivesse em outro planeta, mas algo dera errado, Amy acorda antes do pouso da nave espacial Godspeed. Socorrida por um grupo de pesquisadores e habitantes da nave, Amy conhece Elder, um jovem tripulante que desde o início se mostrou altamente preocupado com a garota que acabara de ser descongelada misteriosamente.
A população de Godspeed não gostou nada da presença de Amy, uma garota que tinha cabelos castanhos avermelhados e pele clara, uma estética totalmente variada que existia na nave, onde todas as pessoas possuíam o mesmo padrão de beleza. Considerada como aberração, Amy é sente-se confusa, e não sabe quais atitudes deve tomar, aliás, Eldest o comandante da nave desconfia cada vez mais da garota.
Rodeada por uma série de segredos, Amy tem o dever de descobrir quem a acordou antes da data correta e o motivo desse acontecimento, mas antes de tudo, encontrar o assassino que está aterrorizando a nave e descongelando mais e mais pessoas, assustando os tripulantes.
Beth Revis conseguiu reunir tudo que eu mais gosto em um livro: aventura, ação e suspense. Na verdade eu ganhei este livro como prêmio do Desafio de Leitura, que é um projeto feito pelas minhas professoras de Português e Literatura, Glauciane e Marina, a autora de Simplesmente Ana. Esta foi a minha 4ª vitória e estou feliz ainda mais porque o livro já virou um dos meus favoritos.
A narração da história é bem objetiva e clara, e acabei me apegando muito aos protagonistas, principalmente a Amy. A minha passagem favorita do livro é o momento em que ela é descongelada, pois além de ser uma cena de tirar o fôlego, Amy descrevia cada dor que ela sentia e a aflição e medo de não saber onde estava.
O único ponto negativo do livro é o fato de eu sequer conseguir imaginar como é Godspeed. Segundo a autora, é uma nave imensa, dividida em vários andares, com campos, árvores, animais como vacas, estradas de terra, e eu simplesmente não consigo criar esta imagem em minha mente. É um pouco estranho toda essa questão de uma nave parecer um município, mas tudo bem. Tirando este pequeno detalhe, Através do Universo é o livro ideal para aqueles que curtem uma distopia cheia de mistérios.

Simplesmente Ana - Marina Carvalho

0
COM
Título: Simplesmente Ana
Autora: Marina Carvalho
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 304
Avaliação: ♥♥♥♥
Sinopse: Imagine que você descobre que seu pai é um rei. Isso mesmo, um rei de verdade em um país no sudeste da Europa. E o rei quer levá-la com ele para assumir seu verdadeiro lugar de herdeira e futura rainha… Foi o que aconteceu com Ana. Pega de surpresa pela informação de sua origem real, Ana agora vai ter que decidir entre ficar no Brasil ou mudar-se para Krósvia e viver em um país distante tendo como companhia somente o pai, os criados e o insuportável Alex. Mudar-se para Krósvia pode ser tentador — deve ser ótimo viver em um lugar como aquele e, quem sabe, vir a tornar-se rainha —, mas ela sabe que não pode contar com o pai o tempo todo, afinal ele é um rei bastante ocupado. E sabe também que Alex, o rapaz que é praticamente seu tutor em Krósvia, não fará nenhuma gentileza para que ela se sinta melhor naquele país estrangeiro. A não ser… A não ser que Alex não seja esta pessoa tão irascível e que príncipes encantados existam. Simplesmente Ana é assim: um livro divertido, capaz de nos fazer sonhar, mas que — ao mesmo tempo — nos lembra das provas que temos que passar para chegar à vida adulta.

Resenha: Durante as minhas leituras deste ano, me deparei com vários gêneros, e um deles foi o romance. Como vocês puderam perceber pelas postagens, li "A Seleção" e achei um máximo! Mas agora a leitura da vez foi "Simplesmente Ana", um livro escrito pela minha professora de Português e Literatura, Marina Carvalho. Acompanhei de perto todas as etapas de preparação e divulgação, e é claro percebi também a aflição presente na autora enquanto a Novo Conceito não liberava informações definitivas do lançamento. Então aqui estou eu, resenhando um das melhores leituras do ano. Com vocês, "Simplesmente Ana".
O livro conta a história de Ana Carina, uma jovem mineira e estudante de Direito que certo dia recebe uma mensagem em seu Facebook de um homem de feições bem adultas dizendo ser o seu pai. Em estado de choque diante da tela do computador, Ana marca um encontro com o cara que se identificava somente pelo nome de Andrej Markov, e descobre que ele era o rei de um país balcã chamado Krósvia. Não dava para acreditar que aquilo realmente estava acontecendo com ela, imagina, se tornar uma princesa! Agora Ana teria que lidar com outras decisões. Como ela poderia largar sua família, amigos, e a faculdade para ir a um país que ela mal conhecia ou tinha conhecimento da cultura e hábitos krosvianos? Era loucura saber que tudo o que ela sabia sobre o pai era apenas uma mentira contada por seus familiares, em especial a sua mãe Olívia, que além de protetora, não gostou muito da aparição de Andrej depois de todos esses anos.
Forçada pelos familiares e principalmente a sua melhor amiga Estela, Ana resolve ir para Krósvia e conhecer a sua segunda família. Ela teria que ser forte o bastante para enfrentar a imprensa que assim que soubesse do pronunciamento oficial, não a deixaria em paz por um longo tempo. Tudo em Krósvia era perfeito e belo, um cenário europeu inesquecível de harmoniosos campos floridos e um clima temperado totalmente agradável. Ana nunca tinha visto nada igual em toda a sua vida, e acreditava que o melhor já tinha acontecido, até o dia em que conheceu Alexander, ou simplesmente Alex, um galã que desde o primeiro encontro arrancou suspiros de Ana, mas um detalhe pode colocar tudo em risco. Alex é o seu meio-irmão e enteado de seu pai Andrej Markov. Será que esta jovem princesa vai conseguir encarar todos estes sentimentos?
Romance munca foi o meu gênero preferido, aliás, raramente leio algum, mas tenho que admitir que "Simplesmente Ana" me pegou de surpresa. Eu não conseguia parar de ler e tudo parecia tão real que era como se eu estivesse ouvindo a voz de Marina contando aquela história, porque percebi muitos aspectos que me remeteram a personalidade da autora, como por exemplo Ana Carina ter como um dos principais incentivos pela leitura as resvistinhas da Turma da Mônica, um clássico! Quem nunca leu não teve infância. 
Pois bem, no decorrer do livro me deparei com marcas do nacionalismo bastante presentes na história, expondo a cultura e principalmente a culinária mineira que é pra lá de espetacular. Nada melhor do que mostrar as nossas raízes através de uma obra que está na estante de vários leitores. Não consegui resistir a essa trama bem estruturada e repleta de surpresas e personalidades do mundo da literatura, música e televisão. Obrigado Marina por tornar minhas leituras mais emocionantes!

Gata Branca - Holly Black

0
COM
Título: Gata Branca
Autora: Holly Black
Editora: Rocco
Número de páginas: 360
Avaliação: ♥♥♥
Sinopse: Cassel vem de uma família de mestres da maldição – pessoas que têm o poder de mudar emoções, memórias e destinos com o mais leve toque das mãos. Mas fazer isso é ilegal, o que significa que todos eles são criminosos. Exceto Cassel. Ele não tem o toque mágico, está de fora: é o único filho normal em uma família paranormal. O único detalhe é que matou sua melhor amiga. Tentando fugir de seu terrível passado, Cassel faz de tudo para ser como os outros garotos. Uma noite, porém, tudo vai por água abaixo: depois de sonhar repetidas vezes com uma estranha gata branca, um ataque de sonambulismo o põe em perigo e ele começa a achar que seus irmãos estão escondendo mais do que alguns segredos. Desconfiado de que não passa de uma pequena peça de um grande golpe, Cassel começa então a fazer uma busca em seu passado e em suas memórias, que parecem lhe fugir. Para desvendar os mistérios de sua vida, ele vai precisar armar um verdadeiro golpe de mestre. 

Resenha: A lista de livros na minha meta de leitura está ficando cada vez maior, e o meu tempo menor. Em época de estudos e com provas e mais provas para fazer, quase não consigo reservar um tempinho para ler, mas com muito esforço consegui, e o livro da vez foi "Gata Branca" da autora Holly Black. Eu nunca tinha sequer ouvido falar desta obra, mas me interessei por ser da editora Rocco, que atualmente anda com uma lista muito boa de livros. 
Gata Branca conta a história de Cassel, um jovem estudante universitário que possui um hábito bem comum na sociedade atual, o sonambulismo. Seus passeios noturnos se tornaram constantes, até o dia em que ele acordara e estava bem em cima de um telhado gritando por socorro, assustando grande parte de estudantes e professores do campus universitário. Medidas deveriam ser tomadas, mas como? Cassel vivia em uma sociedade que não pertencia  a ele. Tudo era uma farsa.
Cassel veio de uma família de executores, pessoas com poderes de causarem maldições e controlar sentimentos, pensamento e principalmente a sorte apenas com um pequeno toque de mãos. Uma em cada mil pessoas são executores, um trabalho sujo e ilegal que deve ser mantido em segredo. O problema é que Cassel é o único de sua família que não nasceu com o dom de provocar maldições. Sua mãe, seus irmãos e seu avô eram reconhecidos entre os grupos de executores por serem um dos mais experientes.
Cassel poderia ser considerado o frágil e inocente da família, ao contrário do fato de ter assassinado a sua namorada, Lila, quando tinha apenas quatorze anos. Perdido em mundo repleto de mentiras,  as noites de Cassel vem se tornando cada vez mais intensas, sonhando com uma gata branca que diz ter sido amaldiçoada, e que somente ele poderia quebrar o feitiço. Seria a gata, um espírito de um mortal de volta a vida?
Acho que criei expectativas demais para este livro, sendo um dos motivos de ter adiantado esta leitura, e acabei me decepcionando bastante. Eu pensei que Gata Branca seria repleto de ação e muitos mistérios,  mas não. Acho que somente as quatro primeiras páginas do livro foram bem atrativas. Não gostei nenhum pouco da trama criada pela autora e o enredo apresentado, a não ser pela misteriosa gata branca e o seu verdadeiro significado. Os personagens não me conquistaram e fizeram com que algumas vezes eu quisesse abandonar a leitura, mas fiz um esforço para que isso não acontecesse. Eu esperava bem mais da Holly, e agora nem sei se quero realmente continuar a série “Mestres da Maldição”. Quem sabe depois...

Os Elefantes Não Esquecem - Agatha Christie

0
COM
Título: Os Elefantes não Esquecem
Autora: Agatha Christie
Editora: Nova Fronteira
Número de páginas: 175
Avaliação: ♥♥♥♥
Sinopse: Hercule Poirot parou no alto do penhasco. Neste cenário, uma mulher sofrera um trágico acidente, anos atrás. Algum tempo depois, mais uma tragédia: dois outros corpos foram descobertos - marido e mulher - mortos a tiros. Mas quem matou quem? Teria sido um pacto suicida? Um crime passional? Ou um assassinato a sangue-frio? Poirot embrenha-se no passado e descobre que "antigos pecados deixam marcas profundas"





Resenha: Como fazer resenhas e mais resenhas literárias sem apresentar uma obra da ilustríssima e respeitada escritora inglesa Agatha Christie? Sempre criativa e inspirada, Agatha é considerada atualmente uma das maiores recordistas de vendas de livros em todo o mundo, chegando a superar até mesmo a marca de Shakespeare.  Seus romances policias reconhecidos e aclamados pelos críticos, e o seus mais famoso personagem, o notável detetive Hercule Poirot, faz jus ao seu cargo, desvendando crimes cada vez mais intrigantes e assustadores. Agora vamos a espera resenha de "Os Elefantes não Esquecem", outra emocionante jornada de um dos detetives mais famosos de toda a literatura.
Ariadne Oliver nunca foi uma mulher que gostou de se expor publicamente e ir aos eventos literários que reuniam os mais importantes escritores ingleses. Sempre assediada pelos fãs que viviam elogiando as suas obras, Sra.Oliver resolver comparecer em um dos encontros propostos, mas como ela mesmo esperava, tudo estava muito perfeito, até o momento em que um senhora chamada Burton-Cox lhe faz uma pergunta bastante perturbadora sobre um duplo assassinato ocorrido há doze anos atrás. O casal morto era por coincidência os pais de Celia, a afilhada de Oliver.
Agatha Christie
Incomodada com a pergunta e incapaz de respondê-la, Ariadne procura o seu melhor amigo e companheiro, o detetive Hercule Poirot, um perito na área de investigações. Juntos os dois embarcam em busca de respostas que só poderão ser resgatadas da memória daqueles que testemunharam a grande tragédia dos Ravenscroft. Como a Sra.Oliver mesmo diz, os elefantes não esquecem, e naquele momento ela e Hercule estavam à procura de valiosas e decisivas informações.
O ponto mais interessante desta leitura foi a grande semelhança da personagem principal, a Sra.Oliver e a autora do livro. No decorrer da história, a personalidade de Ariadne é mostrada com mais clareza, e às vezes penso que Agatha quis transmitir um pouco de si para a personagem, como nos seguintes aspectos: as duas são escritoras de livros policias, bem sucedidas e elogiadas pelos fãs, são extremamente vaidosas, principalmente com os penteados. E tudo isso tornou a leitura bem mais dinâmica e importante.
Como sempre Agatha sempre nos surpreende com os acontecimentos na história, e Hercule Poirot não perdeu a compostura e consegue nos manter atentos a cada passo que é dado e a cada pista que encontrada. Por mais que você tente, não sossegará até descobrir a verdade escondida pelo tempo e ser anunciado o inquérito final!
Uma trama repleta de segredos obscuros, ganância, ódio e lealdade. Os Elefantes não Esquecem é tão especial como qualquer outro romance policial, e é um livro que você deve ter em sua estante o mais rápido possível.

A Seleção - Kiera Cass

0
COM
Título original: The Selection
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Número de páginas: 368
Avaliação: ♥♥♥♥
Sinopse: Para trinta e cinco garotas, a “Seleção” é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China, e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças entre dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.
Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. 

Resenha: Como o blog finalmente está começando a dar os seus primeiros passos definitivamente, eu planejei trazer um livro bem diversificado e atraente, e foi assim que hoje acabei de ler ''A Seleção" o primeiro da trilogia criada pela autora Kiera Cass. O livro retrata a história de uma jovem adolescente chamada America que assim que completa os seus 16 anos é convidada pelo reino de Illéa (atual Estados Unidos) a se inscrever na Seleção, um concurso que tinha como objetivo reunir as 35 mais belas moças da cidade que irão ser submetidas a uma competição da qual somente uma delas será a grande premiada de se casar com o príncipe Maxon e tornar-se rainha.
É claro que nem tudo é fácil, ainda mais para America uma moça pertencente à casta 5 que assim como as 6, 7 e 8, sofriam com questões de baixa renda e má alimentação, servindo as castas superiores. Meri, como era chamada por alguns, estava completamente apaixonada por Aspen, um jovem garoto que trabalhava o máximo para poder ajudar a sua família. Participar da Seleção seria a resolução de alguns problemas financeiros, mas ao mesmo tempo, perigoso. Em tempos difíceis, America se ve incapacitada de recusar o pedido, e com apoio da família e do próprio namorado, ela acaba se inscrevendo e logo em seguida sendo classificada para a primeira fase.
O bairro em que Meri morava estava em festa, ela seria uma das trinta e cinco garotas que estariam na disputa, e durante este período residiriam no castelo do reino, as concorrentes teriam de usar todas as suas táticas para conquistarem o coração do príncipe Maxon.
Carisma e disciplina eram tudo nessa competição, quanto mais simpática uma candidata for, melhor seria a sua 'imagem' que chegaria aos telespectadores que assistiriam a cada etapa do concurso. Por mais que seja difícil para America, ela sabia que estava ali por sua família, principalmente a sua irmã caçula May, que sempre fora muito adorável. Concentração era o que Meri mais precisa naquele momento, quando ela acabara de ter um pequeno conflito com o príncipe e com a concorrente Celeste da casta 2, que desde o começo se mostou determinada a fazer qualquer uma ali presente dar adeus a tão sonhada coroa. Indecisa, America fica cada vez mais preocupada e seus sentimentos por Aspen e Maxon se mostram cada vez mais complicados.
Acho que o principal motivo de ter lido "A Seleção" foi a capa, que além de muito bonita, é realmente um convite a leitura. Romance nunca foi a minha praia, e tenho que admitir que este me pegou de surpresa, pois eu não conseguia parar de ler, e só queria chegar até a última página para descobrir o que realmente iria acontecer no desenvolver da trama.
O mais interessante é que os personagens são tão simpáticos que conquistam o leitor imediatamente, não consigo tirá-los da minha cabeça por mais que eu tente. America e Maxon realmente marcaram a minha jornada literária e não vejo a hora de começar a ler "A Elite", continuação da série. "A Seleção" entrou para a minha lista de favoritos de todas as minhas leituras. Espero que Keira cass não nos decepcione.

Eu Sou o Número Quatro - Pittacus Lore

0
COM
Título: Eu Sou o Número Quatro
Autor: Pittacus Lore
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 350
Avaliação: ♥♥♥♥
Sinopse: "Nove de nós vieram para cá. Somos parecidos com vocês. Falamos como vocês. Vivemos entre vocês. Mas não somos vocês. Temos poderes que vocês apenas sonham ter. Somos mais fortes e mais rápidos que qualquer coisa que já viram. Somos os super-heróis que vocês idolatram nos filmes e nos quadrinhos — mas somos reais. Nosso plano era crescer, treinar, ser mais poderosos e nos tornar apenas um, e então combatê-los. Mas eles nos encontraram antes. E começaram a nos caçar. Agora, todos nós estamos fugindo. O Número Um foi capturado na Malásia. O Número Dois, na Inglaterra. E o Número Três, no Quênia. Eu sou o Número Quatro. Eu sou o próximo."


Para dar continuidade às resenhas literárias do blog, pensei em trazer para vocês algo que seja realmente instigante e criativo, então lhes apresento “Eu Sou o Número Quatro”, o primeiro livro da série “Os Legados de Lorien”, escrito pelo enigmático Pittacus Lore (pseudônimo), um ancião lorieno a quem foi confiada a história de nove Gardes. Chega de blá blá blá e vamos logo a resenha!
Desde os tempos mais remotos, a humanidade sempre perguntou se existe vida em outros planetas. Pessoas afirmam ter estabelecido contato com outros seres, alguns acreditam que eles estão entre nós, usando os mesmos espaços públicos e ambientes do nosso dia a dia. Este é um fato, desde que os mogadorianos invadiram o planeta Lorien, onde quase toda a população fora dizimada, com exceção de nove crianças que escaparam em uma nave que tinha como destino a Terra. Elas eram chamadas de Gardes, e cada uma delas possuía um protetor, mais conhecidos como Cêpans. A partir daquele momento, a Terra serviria de uma moradia para todos eles, mas não será uma tarefa fácil viver escondido e fugindo dos mogs, uma vez que os Gardes representavam a esperança de Lorien.
Enumerados de 1 a 9, as crianças só poderiam ser mortas de acordo com a ordem numérica, e caso isso acontecesse, uma marca de seu respectivo símbolo surgiria na perna dos Gardes sobreviventes. Já se passaram 11 anos desde que eles vieram para o nosso planeta. O número 1 foi morto na Malásia, o número 2 na Inglaterra, já o 3 foi perseguido e capturado no Quênia. Agora é a vez do número 4, e John Smith sabe disso melhor do que qualquer um.
Atualmente, John e seu Cêpan Henri se encontram na pacata cidade de Paradise, no estado de Ohio. A aflição aumenta a cada instante ao saber que os mogadorianos estão atrás dele neste exato momento. Os lorienos não levam uma vida normal aqui na Terra, falsificando documentos e imigrando para diferentes regiões do país.
John é forte, mas sabe que terá uma longa jornada, aliás, ele está matriculado em uma escola que é repleta de alunos de todos os tipos, desde os valentões do time de futebol, até os nerds maníacos. Sam Goode era assim, um jovem fascinado por extraterrestres, e também um dos alunos mais excluídos do colégio, uma vez que ele afirmou que o seu pai (desaparecido a certo tempo) fora capturado por aliens. Sempre sendo zoado pelos outros, Sam nunca perdeu as esperanças de encontrar o pai, ainda mais porque arranjara um grande amigo, John Smith.
Henri, além de guardião, era o ‘professor’ de John, e tinha como principal objetivo aperfeiçoar os legados (poderes) pertencentes ao número 4, que aos poucos começaria a aparecer. Eles precisavam estar preparados para quando a hora chegar, mas nem tudo é tão fácil quanto parece. Sarah, uma jovem colega de turma de John fez despertar nele um dos sentimentos mais primitivos, o amor, colocando em risco a missão dos lorienos na Terra. Sabendo que os mogadorianos estão cada vez mais perto de Paradise, chegou a hora da grande batalha.
De todas as séries que já li, “Os Legados de Lorien” é a que eu mais gosto e aprecio. Não só pelo fato de possuir como foco da história os lorienos, mas também a exploração do tema: “vida extraterrestre”, da qual acho fantástico. Eu sou o Número Quatro é um livro que por mais que você tente, é quase impossível esquecer-se dos personagens e os altos perigos vividos por eles. Não é a toa que acabou ganhando uma adaptação para o cinema, e que assim conquistou milhares de fanáticos por filmes ao redor do mundo. Acabei de ler O Poder dos Seis, a continuação da série, e daqui a pouco vamos ter resenha dele aqui no blog.
Até a próxima!

Backstage #1 : Jurassic Park - Steven Spielberg

0
COM

Hoje é o dia da grande estreia aqui no blog. Como fiquei mais livre durante esse tempo de férias, pensei bastante para que esta nova coluna fosse ao ar, e então tomei as minhas providências, e bem, aqui está! "Backstage", possui como principal objetivo trazer para vocês leitores os filmes que fizeram e ainda fazem grande sucesso ao redor do mundo. Apresentarei para vocês uma crítica das principais características do determinado filme, assim como o número de estatuetas (Oscar e Globo de Ouro), o desempenho do diretor durante as filmagens, a interação dos atores e principalmente o que fez dele um estrondoso sucesso.
Se vocês estão pensando que será uma Wikipédia ambulante, e só irão aparecer filmes velhos na coluna, é aí que se enganam. Também haverá um dia para os lançamentos e o que está ‘bombando’ nos cinemas. Então vamos para o filme da semana, Jurassic Park, lançado no ano de 1993, e dirigido pelo ilustre Steven Spielberg.
 
Quem não se lembra do incrível Parque dos Dinossauros? Assim como muitos outros, eu já fui e ainda sou um grande admirador dessas criaturas que habitaram o nosso planeta durante milhares de anos, e isto decorreu do fato de que fiquei impressionado com a beleza presente em Jurassic Park, que para mim é uma obra prima! Ainda não acredito como Spielberg conseguiu transformar uma história literária em realidade. Para aqueles que ainda não sabem, o filme é baseado no livro de mesmo título, do autor Michael Cricthon.
No básico, o filme conta a história do cientista milionário John Hammond, um sonhador que queria trazer para a Terra os dinossauros que aqui habitaram, e criar um mundo de harmonia entre estas criaturas e a humanidade.
As tentativas foram muitas, mas encontram DNA de dinossauros no organismo de um inseto preso em uma espécie de rocha. A partir daí uma nova era estava sendo criada, e que fora presenciada pelo paleontólogo Allan Grant interpretado pelo Sam Neill e sua parceira de trabalho Ellie, vivendo grandes emoções e aventuras nas Ilhas Nublar ou melhor dizendo, o Jurassic Park.

Cena com a formação da tempestade ao fundo
A repercussão do filme foi tão grande, que acabou levando três indicações ao Oscar e consigo levou as estatuetas de Melhor Mixagem de Som, Melhor Edição de Som e Melhores Efeitos Visuais. Um merecido prêmio para um filme que deu bastante trabalho para ser produzido durante as filmagens. Um dos motivos da dificuldade nas horas da gravações foi um tornado que se aproximava das ilhas onde o filme se passa, e acabou atrasando algumas expectativas. Caso estejam lembrados da cena em que a doutora Ellie cuida de um Triceratops doente, é possível ver a formação de nuvens carregadas de chuva e raios. Através deste problema, a equipe foi obrigada a voltar para os EUA, e gravar algumas cenas em estúdios enquanto a tempestade continuasse. Um exemplo deste acontecimento é a cena em que os Velociraptors invadem a cozinha do parque onde as crianças tentam se esconder,  e que acabara sendo feita em um estúdio de Hollywood.

Cena gravada em estúdio de Hollywood
O público gostou tanto dos personagens e a dinâmica presente no filme, que Jurassic Park acabou ganhando uma continuação, nomeada O Mundo Perdido, quando o parque é dominado pelos dinossauros que agora vivem livremente em meio a densa Ilha Sorna, e sobrevivem através de seus instintos. O local é altamente perigoso, então uma importante empresa americana, Ingen, resolve invadir a ilha, e com isso capturar os animais ali presentes e assim leva-los para Los Angeles, onde seria construído um novo parque, e a população teria contato direto com as criaturas. Apesar de não ter ganhado nenhuma estatueta, Spielberg não perdeu a criatividade, levando-nos ao fantástico mundo “pré-histórico”. Desta vez, eles apostaram em novos personagens, mas mantiveram o aventureiro Ian Malcolm, e que mesmo assim fez um grandioso trabalho.

Steven Spielberg
O terceiro filme da ‘série’ foi o que menos me agradou, pelo fato de não abordar os verdadeiros temas da trama, e principalmente pelo fato de Steven Spilberg não ter ocupado o cargo de diretor, mas sim de produtor, o que possa ter prejudicado um pouco. Tornando-se o filme que menos lucrou em relação aos anteriores. Mas mesmo assim, ele conseguiu nos surpreender cada vez mais com os efeitos especiais e cenários de causarem inveja!
Até o que se sabe, Jurassic Park já alcançou o um lucro de 1 bilhão de dólares, ganhando uma versão 3D no ano passado, e agora mais uma continuação! Isso mesmo! O quarto filme da série estreia nos cinemas em março de 2014, aumentando a curiosidade dos fãs. Mas o pequeno detalhe é que Steven Spielberg não será o diretor, denovo, mas mesmo assim terá a sua participação na produção do filme. Grandes emoções nos esperam!


Processo de criação dos modelos de dinossauros
Então é isso. Espero que tenham curtido esta nova coluna, e que tenham ficado mais informados a respeito deste filme épico!
Até a próxima! =D

O Resgate do Tigre - Colleen Houck

0
COM


Título original: Tiger's Rescue
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 474
Avaliação: ♥♥♥♥
Sinopse: Kelsey Hayes nunca imaginou que seus 18 anos lhe reservassem experiências tão loucas. Além de lutar contra macacos d'água imortais e se embrenhar pelas selvas indianas, ela se apaixonou por Ren, um príncipe indiano amaldiçoado que já viveu 300 anos. Agora que ameaças terríveis obrigam Kelsey a encarar uma nova busca – dessa vez com Kishan, o irmão bad boy de Ren –, a dupla improvável começa a questionar seu destino. A vida de Ren está por um fio, assim como a verdade no coração de Kelsey. Em O Resgate do Tigre, a aguardada sequência de A Maldição do Tigre, os três personagens dão mais um passo para quebrar a antiga profecia que os une. Com o dobro de ação, aventura e romance, este livro oferece a seus leitores uma experiência arrebatadora da primeira à última página.

  Resenha: Já faz um bom tempo que eu já queria ter liberado esta resenha, mas como eu estava muito ocupado com questões de concursos universitários, fiz uma pausa no blog para estudar para estas devidas provas. Agora que tudo já passou, prometo prestar maior atenção ao meu blog e atualizar e criar algumas colunas, que espero que agradem a todos. Mas, então vamos ao quer interessa, o segundo livro da série dos Tigres.
Depois do grande sucesso de A Maldição do Tigre, Colleen Houck trouxe para os diversos fãs da série, o irresistível livro O Resgate do Tigre, que assim como o primeiro não deixa nenhum leitor desapontado ou disperso durante a leitura.
Assim que Kelsey volta para os Estados Unidos, ela percebe que por mais que doa o seu coração, ela não consegue esquecer os seus amados tigres Ren e Kishan. Os dois irmãos indianos que ainda estavam sobre uma maldição, resolvem fazer uma visitinha para Kels, mas tudo acontece quando Ren é capturado pelos capangas de Lokesh, o grande vilão da série.
Destemidos e determinados, Kelsey, Kishan e o sábio Sr.Kadam, embarcam em uma emocionante aventura nos lugares mais encantadores e mágicos da Índia e a região asiática. Em um mundo de fadas, desafios, criaturas bizarras e muitos símbolos, Kelsey terá que decidir a quem o seu coração pertence. O clima de romance entre ela e Kishan, está aumentando, e com isso, o poderoso tigre negro não consegue resistir à sensualidade de Kels, que se sente culpada por estar traindo Ren, o seu grande amor.
Uma história repleta de ação, revelações do passado e altos perigos. O Resgate do Tigre vai fazer da Índia, o seu destino de viagem favorito.
A série dos Tigres é a minha segunda favorita, só não ganha de Os Legados de Lorien, mas fiquei impressionado com a criatividade da Colleen Houck, que fez dos seus personagens uma obra de arte, tornando-os cada vez mais atrativos e marcantes! Parece que nunca vou me decidir sobre qual é o meu preferido! Rsrs. Com certeza este livro é melhor que o primeiro, e espero que Colleen não me decepcione na continuação da série. Aqui vou eu para a leitura de A Viagem do Tigre!

Battle Born (Deluxe Edition) - The Killers

0
COM


♫♫♫♫♫
O rock nunca foi um gênero muito presente em minha playlist ou até mesmo em meu dia a dia, mas todo este conceito mudou quando eu finalmente conheci o mais novo trabalho da banda norte americana, The Killers. Já tinha ouvido falar deles, mas como sempre nunca tinha parado para ouvir sequer uma música, até o dia em que me falaram que Battle Born era um álbum magnífico e consagrado. Então resolvi ouvi-lo e ver se ele era tudo isso que estavam comentando. Somente posso dizer que fiquei impressionado com a perfeição de Battle Born! Suas músicas carregam consigo uma energia tão positiva e levam até o ouvinte o que é o rock alternativo de verdade! A banda formada por Brandon Flowers no vocal, Ronnie Vannucci na bateria, Mark Stomer no baixo e Dave Keuning na guitarra, conseguiu emplacar o quarto álbum de suas carreiras na terceira posição da Billboard 200, e na Europa, chegaram ao topo de várias paradas de diversos países, inclusive na UK Charts, Reino Unido. Somente na primeira semana, Battle Born vendeu 113 mil cópias! Um ótimo marco comercial. Confira agora, faixa a faixa deste inesquecível álbum.

01 – Flesh and Bone: A faixa introdutória é sem dúvida uma das minhas preferidas, por somente ter me atraído com sua batida contagiante e irreverente, acompanhados de um vocal ousado e em total sincronia com a melodia.  A partir dela, eu já estava sabendo que podia esperar grandes surpresas durante a o decorrer do álbum. 5/5

02 – Runaways: Chegamos a minha canção favorita, e se não me engano, a melhor de Battle Born. Runaway’s foi e ainda é o meu maior vício musical por enquanto. Além de ter sido uma perfeita escolha transformá-la em single, possui um refrão que por incrível que pareça, não sai da sua cabeça. Foi através dela que eu fui ficando cada vez mais impressionado com o The Killers. Em menos de dois dias, eu já havia escutado 33 vezes esta música. Essa é com certeza o melhor rock que já ouvi! Recomendo! 5/5!

03 – The Way It Was: O que mais me chamou atenção nesta música foi novamente o ousado e contagiante vocal de Brandon, que faz a canção se tornar cada vez mais especial, enriquecendo bastante o material apresentado. 5/5

04 – Here With Me: Dentre todas, essa é a faixa mais linda do álbum, trazendo consigo uma letra bastante romântica e emocionante. Simplesmente me apaixonei de primeira por ela. Escolhida como terceiro single, Here With Me possui um clipe totalmente diferente dos já lançados, com uma bela mensagem. Não tem como não se encantar com a beleza desta música! 5/5

05 - Matter of Time: Contagiante é a palavra ideal para representar esta canção. Por mais que tente, você não consegue ficar parado ao ouvi-la. A interação dos integrantes da banda é um dos aspectos mais relevantes, onde o refrão não deixa passar por despercebido. Ô ô ô ô ô ô. 5/5.

06 – Deadlines and Commitments: A sexta faixa de Battle Born foi a que inicialmente menos me atraiu, sei lá, a melodia não me conquistava, mas à medida que eu fui ouvindo cada vez mais o álbum, comecei a gostar cada vez mais dela. A sincronia entre o baixo e a guitarra foram o essencial para torna-la especial. 4/5

07 – Miss Atomic Bomb: Aclamada pelos críticos como melhor música do álbum, Miss Atomic Bomb fez jus a vitória, apresentando um tranquilo e inesquecível ritmo que irá conquistar qualquer apaixonado pelo gênero alternativo. Ainda fico impressionado com a tamanha criatividade e determinação da banda na hora da produção das canções. 5/5


08 – The Rising Tide: Confesso que não é uma das minhas preferidas, mas acrescento que mesmo assim, ela não deixa de encantar o público com suas batidas cativantes e um acordo entre a guitarra e o vocal. Não é a toa que a banda conquistou milhares de fãs pelo mundo todo! 4/5

09 – Heart of a Girl: Não consigo expressar meus sentimentos quando eu ouço esta música. É tão calma e viciante. Sempre que chego a esta faixa presto o máximo de atenção em sua melodia que às vezes me lembra um hino natalino, e uma das letras tão linda como Here With Me. 5/5!

10 – From Here On Out: Radical? Acho que esta seria a palavra exata. Não consigo ficar parado assim que ela começa a tocar, e aumento o volume no máximo. Apesar de ser um pouco curtinha, ela promete não deixar ninguém desapontado. Magnífica! 5/5!

11 – Be Still: Outra canção calma que explora cada vez mais o vocal do Brandon e o desafia a um acordo com os diversos instrumentos musicais. Na primeira vez não curti muito, mas com o tempo fui me acostumando e acabou se tornando uma das minhas preferidas. 5/5

12 – Battle Born: A faixa título não poderia ser diferente das outras já apresentadas. Mas um aspecto me chamou bastante atenção, que foi o intendo uso da guitarra, que trouxe um estilo marcante para a música. Não passo um dia sem escutá-la, por ser tão cativante e inesquecível, admitindo um importante papel no conjunto musical do álbum. Eu amo essa banda!!! 5/5!

13 – Carry Me Home: A primeira música da edição deluxe, é mais uma que me conquistou de primeira. Não tem como esquece-la, até porque a sua letra é tão legal e bem trabalhada. E seu refrão como sempre, viciante. Carry me home, I’m not afraid...  5/5.

14 – Flesh and Bone (Jacques Lu Cont Remix): Nunca fui fã de remixes, até porque eu considero eles um pouco desnecessários em um álbum que possui um estilo totalmente diferente, mas como ele foi feito pelo  Jacques Lu Cont, que é um grande especialista neste assunto, acabou que o remix não tirou a beleza de Flesh and Bone, fazendo com que eu a ouvisse sem nenhum questionamento. 4/5

15 – Prize Fighter: O The Killers escolheu uma ótima música para encerrar o álbum. Prize Figther é tão especial como qualquer outra que aqui foi mostrada. Seu estilo é um pouco diferente, mas até chega a ser engraçada, com barulhos de ringues e sinos de luta, acompanhados de um trompete, se não me engano. 5/5

Pelo visto vocês devem ter percebido que eu amei o álbum e simplesmente virei fã da banda. Mal posso esperar para o lançamento de novos singles (espero que seja Battle Born), e assim também quero conhecer os seus álbuns e trabalhos anteriores. Sei que não vou me arrepender. Somente neste dia em que fiz a resenha, escutei Battle Born cinco vezes, acho que nunca fiz algo assim antes. Rsrs. São tantos os artistas do gênero alternativo que eu sou fã, Lana Del Rey, Foster The People, Florence + The Machine, Ellie Goulding, Marina and The Diamonds e agora The Killers. É tão emocionante. 

Fiquem com o clipe de Runaways